NOTÍCIAS
compartilhar este link
Briga de Titãs

28/11/2016 15:17:21
Taeq lança Cajuína Orgânica

17/11/2016 15:22:32
Morre Toninho Pratinha

21/10/2016 16:50:20
O futuro da Hanjin à deriva

04/10/2016 14:24:25
Ameaça de embargo

22/08/2016 14:58:11
Cuidados no pomar

04/08/2016 13:03:39
Sufresh FLIP chega ao mercado

20/07/2015 12:58:49
O suco que bate um bolão

16/03/2015 18:03:36
Consumo em queda

04/03/2015 09:06:51
O supersuco da Purity Organic

02/12/2014 15:27:46
Zone 8 lança chás premium

28/11/2014 17:29:15
Alta interrompida

25/11/2014 18:50:14
Suco volta a subir na Bolsa

21/10/2014 19:19:55
Edeka veta transgênicos

15/09/2014 07:37:58
Uma salada para beber

12/09/2014 13:02:00
O novo suco da Mello

09/09/2014 12:51:19
Suco volta a cair

08/09/2014 12:50:22
Suco volta a fechar em baixa

02/09/2014 12:47:06
Demanda enfraquece cotações

28/08/2014 12:37:42
A nova onda da Campbell

28/08/2014 12:36:27
O super suco da Juxx

28/08/2014 12:34:27
Vita Coco quer reinar na China

25/08/2014 12:29:49
O suco das Arábia

20/08/2014 12:28:16
Safra farta no Marrocos

18/08/2014 12:27:09
A laranja gigante

14/08/2014 12:21:44
Suco volta a subir na Bolsa

14/08/2014 12:21:44
Produção estável no Sul

06/08/2014 12:15:39
Mercado em baixa

05/08/2014 12:15:39
Laranja menor, lucros maiores

30/07/2014 11:56:33
Tempestade na demanda

29/07/2014 11:56:33
Suco estável

28/07/2014 11:56:33
Sem tempestade no radar

24/07/2014 11:56:33
Medo do furacão

22/07/2014 11:56:33
Em busca de direções

17/07/2014 12:16:24
Suco recua em NY

10/07/2014 11:49:32
Clima de alta

03/07/2014 11:44:03
Tempestades vem, suco sobe

02/07/2014 11:44:03
Queda mantida

30/06/2014 11:42:27
Queda se mantém

26/06/2014 11:19:54
Em busca de novas plantas

24/06/2014 11:19:54
A ciência gordurosa

24/06/2014 11:19:54
A próxima revolução verde

23/06/2014 11:19:54
O novo Captain Citrus

18/06/2014 10:54:40
Laranja para curtir

28/05/2014 10:45:00
Citros do Uruguai se consolida nos EUA

Fresh Plaza - 16/07/2018 - Em 10 anos os preços de exportação cresceram de forma relevante, só este ano o mercado americano já responde por 60% das exportações


Em 2010 o setor de citros do Uruguai iniciou um planejamento estratégico para produzir frutos com parâmetros voltados a atender o mercado dos Estados Unidos: mandarinas sem sementes, de boa cor e fáceis de descascar. Passados oito anos desse trabalho, o país começa a colher os frutos. 

De janeiro a junho deste ano, as exportações para os EUA já correspondem por 60% dos embarques de citros uruguaios. Com um total de 735 mil caixas de 40,8 quilos, o equivalente a uma receita em moeda estrangeira de US $ 20 milhões, equivalente a R$ 77,1 milhões. Dessa venda, além dos 60% exportados para os Estados Unidos, 20% foram destinados à União Europeia e o restante foi distribuído entre a Rússia, o Brasil, o Canadá e os Emirados Árabes Unidos, entre outros destinos.

A exportação para o mercado dos EUA implicou em preços mais altos para o setor, e uma tarifa de importação mais baixa em relação à União Europeia, que era o mercado mais importante, mas registrou uma tendência de queda depois que o Uruguai foi excluído do Sistema Geral de Preferências. Na Europa, a renda dos mandarins tem uma tarifa de 16%, enquanto nos Estados Unidos é de 0%.

O diretor geral de Serviços Agrícolas do Ministério da Agricultura e Pescas (GDSA) do Uruguai, Federico Montes, esclareceu que, apesar do aumento progressivo das exportações para os Estados Unidos após a abertura desse mercado em 2013, quando um carregamento foi feito “mais do que qualquer coisa simbólico”, até o final do ano os números entre a União Europeia e os Estados Unidos serão mais distribuídos, uma vez que o período de safra das laranjas chegar.

“O mercado dos EUA sempre foi uma demanda muito importante para da indústria cítrica, a fim de acessar um mercado que tem uma excelente demanda por citros, porque importa grandes quantidades em certos momentos, dado que está em um hemisfério diferente. Complementar o mercado norte-americano muito bem”, continuou, “outro aspecto importante foi entrar nesse mercado sob as mesmas condições de nossos concorrentes, que são principalmente o Chile e o Peru”, afirma Montes.

“É um mercado que continuará crescendo e continuará extremamente atraente”, disse. 

Embora a Europa e os Estados Unidos mantenham o peso em volumes, o país norte-americano paga preços mais altos.