NOTÍCIAS
compartilhar este link
Greening perto de zero

21/05/2018 11:12:28
NOTA: CitrusBR e o Consecitrus

22/09/2017 16:11:36
O HLB é a bola da vez

17/02/2017 11:31:41
As gigantes fazem suas apostas

09/08/2016 12:29:03
A problemática fila da Anvisa

25/07/2016 12:44:28
Vem aí o suco expresso?

19/07/2016 14:17:06
O vale dourado da Sun Pacific

11/07/2016 16:30:25
10/12/2018
Safra 2018/19 é reestimada em 275,75 milhões de caixas

Fundecitrus - 10/12/2018 - Segundo o Fundecitrus, produção do parque citrícola de SP e MG teve aumento de 0,88% em relação à projeção de setembro


O Fundecitrus divulgou nesta segunda-feira (10/12), a segunda reestimativa da safra de laranja 2018/19 do parque comercial citrícola de São Paulo e Triângulo/Sudoeste de Minas Gerias que deve atingir 275,75 milhões de caixas de 40,8 quilos, um aumento de 0,88% se comparado a última reestimativa, publicada em setembro. 

Segundo a entidade, a projeção atual ainda permanece menor do que a primeira estimativa, realizada em maio, e representa uma queda de 4,35% em relação às 288,29 milhões de caixas. Da safra total, cerca de 17,86 milhões de caixas deverão ser produzidas no Triângulo Mineiro.

Um dos principais motivos para o pequeno incremento da produção deve-se à mudança no regime de chuvas. Depois da seca que se instalou em todo o parque citrícola de maio a julho/2018, com estiagem de 45 a 70 dias variando entre as regiões, com exceção do Triângulo Mineiro, onde o fenômeno foi ainda mais prolongado, as chuvas voltaram a ocorrer em agosto, continuaram dentro da normalidade no decorrer de setembro e se intensificaram em outubro e novembro. 

De acordo com os dados da Somar Meteorologia, a precipitação acumulada desde maio, em média, no parque, atingiu 610 milímetros e ficou 23% maior que a média histórica (1981-2010). As águas em maior quantidade contribuíram para a recuperação do crescimento dos frutos das variedades como, Pera, Rio e tardias, pois a maior parte deles ainda não tinha sido colhida quando as chuvas ocorreram.

Segundo o coordenador da Pesquisa de Estimativa de Safra (PES), Vinícius Trombin, a deficiência hídrica provocada pelo longo período de seca no início da safra, além de inibir o crescimento das laranjas, interferiu negativamente no vigor das plantas e deixou os frutos mais suscetíveis à queda e aos efeitos das doenças e pragas. “Os dados do monitoramento de talhões mostram que a queda de frutos acumulada até novembro já está mais alta do que a expectativa para o período e deverá encerrar a safra acima do valor projetado em maio. Nesta nova projeção, a taxa de queda de frutos média do cinturão citrícola passa de 17% para 17,20%”, afirma Trombin.

A colheita das precoces está praticamente encerrada. Já colheita de Pera Rio soma 83%. As variedades Valência e Valência Folha Murcha e a Natal têm 66% colhida. Ao todo cerca de 78% da safra 2018/19 já está colhida. Nessa mesma época, na safra passada, a colheita estava em 75%.